Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

A Minha Primeira Vez IV

 

A convite do nosso amigo Fecho Aberto vou contar aqui como aconteceu a minha primeira experiência sexual a sério. Ao contrário do se calhar acontece com a maioria das mulheres a minha primeira vez teve dois capítulos. Pode parecer-vos estranho, mas eu conto.
 
Vou contar aqui como decorreu a minha primeira visita ao palheiro na companhia do filho do patrão do meu pai. Tinha então 16 anos, mas tinha já o corpo de uma mulher quase feita. Alta, de cabelos compridos, um peito bem desenvolvido, e sem falsas modéstias, um corpinho bem moldado. Muito cedo comecei a ser assediada por muitos dos rapazes da localidade onde vivia, na Sicília em Itália como todos sabem. Sou italiana e vim para Portugal há cerca de 5 anos.
Mentiria se dissese que esta minha primeira visita ao palheiro foi o meu primeiro contacto mais atrevido com o sexo oposto. Não foi. Já por duas ou três vezes tinha permitido algumas ousadias a um colega de escola que me acompanhava em algumas noites nas discotecas, mas nunca nada que se parecesse com o que aconteceu no palheiro, com o Marcello, o meu amigo de infância, que viria mais tarde a colher a minha virgindade.
Nessas noites na discoteca, depois de alguns copos, o carro do meu acompanhante serviu várias vezes para a troca de carícias, uns beijos, as mãos dele nos meus seios e nas coxas, tentando subir mais do que aquilo que eu estava disposta a permitir. Uma vez cheguei mesmo ao ponto de, satisfazendo um pedido seu, a bater-lhe uma. Mas a brincadeira ficou por aí porque eu impedi que fosse mais longe.
 
Numa tarde abafada do mês de Setembro, tinha então eu 16 anos, a três meses de completar os 17, o Marcello convidou-me para dar uma volta na herdade para conversarmos um pouco. Aceitei, e no final da tarde lá fomos os dois, lado a lado, através das vinhas e dos pomares, até chegarmos à zona de seara onde estava o instalado um amplo palheiro. Ao longe já se sentia o cheiro perturbador da palha sêca. Poucas coisas serão tão afrodisíacas como o cheiro da palha em pleno verão.
Antes de chegarmos, o Marcello deu-me a mão e encaminhou-me para o palheiro. Pelo caminho sempre me foi dizendo que eu estava um mulher linda, que devia ser muito assediada e para ter cuidado para não me deixar entusiamar com os piropos eacabar por ser seduzida por quem não me merecia. Uma cantilena que hoje não sortiria nenhum efeito mas que há 10 anos atrás me deixou bem impressionada. Depois de entrar no palheiro, fiquei perturbada pelo cheiro intenso e agradável que ali se sentia e quando dei conta estava apertada contra o peito dele com as bocas coladas uma à outra. Recordo-me perfeitamente de ter correspondido ao beijo com agrado, facto que ele percebeu de imediato.
Não tardou muito até sentir a mão dele por debaixo da tishirt a acariciar-me o peito, que ele se apercebera estarem soltos e livres. Eu estava a gostar do que sentia naquele momento e comecei a ficar sem qualquer reacção aos seua avanços, o que o incentivou a levar mais longe os seus afagos. Senti as mãos dele a subir até à cueca, e os dedos a penetrarem por baixo dela. Eu estava já rendida e sem força nem vontade para resistir.
Quando tentou baixar-me a calcinha, estremeci e tive medo. Perguntei-lhe se trazia algum perservativo com ele. Disse que não, então pedi-lhe para parar. Acedeu cavalheirescamente ao meu pedido e perguntou-me se já alguma vez tinha sentido algum pénis a tocar-me a pele. Contei-lhe que apenas uma vez o segurara com as mãos e o friccionara até cuspir.
Ao ouvir a minha resposta o meu amigo perguntou-me se o poderia entalar e esfregar entre os meus seios. Sem saber o que responder segui a voz do desejo e disse que sim. Foi o mal que fiz. Depois de brincar com ele nos meus mamilos entalou-o entre os seios começando a friccioná-lo. Eu estava a ficar louca de gozo e ele prevendo que eu não teria forças para resistir tentou penetrar-me. Tive medo e argumentei que era perigoso, que sem protecção poderia engravidar e era um problema grave para os dois.
Sem responder foi-me lentamente desapertando a saia e depois de a ver no chão, sem me dar tempo a reagir, baixou-me a cueca e virou-me de costas. O que aconteceu depois é fácil de prever, doeu-me muito mas foi muito bom, porque enquanto me penetrava por trás ia-me acariciando o clitóris com os dedos estimulando-me de tal forma que acabei por me vir. Quando ele percebeu deixou-se então explodir inundando de esperma o meu rabinho.
Doeu-me muito, porque ele não levava gel, vaselina ou qualquer outra coisa que facilitasse a penetração. Estive dorida durante dois ou três dias, mas gostei, e ainda hoje sou viciada em sexo anal. Esta foi a primeira vez que fui penetrada. Foi por trás mas mantive a minha virgindade. Só que esta foi a primeira de muitas visitas ao palheiro que fiz na companhia do Marcello.
Uma semana mais tarde aconteceu aquilo que eu sempre considerei como tendo sido na realidade a minha primeira vez, porque na minha visita anterior ao palheiro embora tivesse havido brincadeiras com o pénis do Marcello e acabasse mesmo por haver penetração, ela foi por trás e a minha virgindade não saiu dali beliscada, apenas o rabinho dorido.
Uma semana depois o Marcello voltu a convidar-me para um passeio na herdade ao cair da tarde. Eu sei que deveria ter negado, mas nem sequer consegui fazer-me difícil, pois durante essa semana não pensei noutra coisa senão na palha e no Marcello e naquilo que eu sabia que aconteceria forçosamente quando eu lá voltasse com ele, até porque de certeza que quando isso acontecesse ele iria já prevenido com os persertavivos necessários. Aceitei de imediato e fiquei nervosa, com algum receio em dar aquele passo, mas a carne era implacável.
 
Passei o dia a olhar para o relógio à espera da 7 e meia da tarde, a hora combinada. Quando finalmente chegou o momento, alvoroçada fui ter com ele num local onde não havia ninguém que nos visse, porque a essa hora todos os trabalhadores haviam já regressado a casa. Beijámo-nos logo que nos encontrámos e de mão dado fomos directos ao paheiro. O mesmo cheiro intenso a estimular o desejo que me invadia já. Preparei-me para essa ocasião com uma calcinha preta transparente e sem soutien, deixando, como acontece sempre no verão, os seios livres por debaixo de uma blusa de seda branca. Recordoa sensação boa que foi sentir os seios livres, a roçarem na seda, enquando caminhava.
Mal chegámos ao palheiro, o Marcello apertou-me nos braços, dirigiu-me, com voz sensual, palavras carregadas de ternura. Disse-me que eu não lhe saía do pensamento, que me desejava intensamente, que tinha um corpo de sonho e que me iria fazer delirar quando estivesse dentro de mim. Como calculam estas palavras ditas por um rapaz já experiente e sabido a uma rapariga que estava perdida de desejo fizeram-me logo humedecer ao primeiro contacto dos seus lábios e ao primeiro toque das suas mãos nas minhas maminhas.
Seria fastidiosos contar todos os pormenores do que se passou a seguir, pois todos nós sabemos como é queessa coisas se fazem. Só sei quem não demorou muito até que a blusa estivesse no chão e as mãos dele a percorrerem-me o corpo e a entrar por dentro da saia cujo fecho ele abrira já, sem a tirar. Afundámo-nos na palha e a mão dele tocou a cueca, entrou por debaixo dela e as carícias intensificaram-se. Eu estava já perdida de todo, chamava-lhe amor e pedia-lhe para me tirar a cueca. Ele não o fez de imediato.
Primeiro despiu-se, depois voltou, como da primeira vez, a colocar o pénis entre os meus seios que eu apertava para que ele ficasse ali bem aconchegado. Enquanto isso as mãos deles não paravam de me percorrer o corpo enquanto me beijava loucamente. Fiquei doida de prazer quando senti a lingua dele a entrar dentro de mim. Vocês sabem como é bom, não é? Estivemos assim não sei quanto tempo até eu me vir, enquanto lhe pedia para pôr o perservativo e me penetrar. Ele pôs o perservativo e eu pensei que finalmente iria ser penetrada.
Tive um certo receio porque sempre me disseram aque a desfloração era dolorosa, mas alguma vez tinha que ser. Enganei-me, ele não entrou em mim de imediato e entreteve-se a li a abrincar, à entrada, nas bordinhas. Eu estava a ficar já fora de mim. Pedia-lhe para o meter todo, mas ele enfiava apenas a cabecinha tirando- logo de seguida, até eu que pedir, desvairada, queme penetrasse de vez.  Eu bem empurrava o meu baixo-ventre contra o dele em impulso cada vez mais fortes, para o obrigar a entrar mas ele sempre conseguia evitar que isso acontecesse, até que...num movimento brusco e vigoroso o meteu todo. Gritei, pois senti uma dor forte, mas durou pouco tempo porque ele começara num vai vem muito lento e muito gostoso.
Ele aguentou o mais possível sem ejacular, só o tendo feito depois de eu me ter vindo de novo. Foi esta, e foi assim a minha primeira vez. Mas o Marcello levou mais que um perservativo e a festa continuou brava. Passava das 9 da noite quando abandonámos o palheiro. Foi um final de tarde que nunca esquecerei.
Recordo tudo como se se tivesse passado ontem, e recordo com muita ternura o carinho com que o Marcello me tratou nesses momentos. Foi impecável e foi um amante perfeito. Considero-me uma previligiada, porque tenho ouvido que a primeira vez não eé gratificante para além da magia de ter sido a primeira. Comigo foi perfeita, garanto-vos.
 
Pingo de Mel

 


publicado por Fecho Aberto às 08:56
link do post | deixa o teu comentário | adicionar favoritos
|
6 comentários:
De WolfHeart a 22 de Setembro de 2008 às 10:51
Acredita, és uma previlegiada.
E sim, é verdade. Nem sempre as primeiras vezes são algo de fantastico. E olha que eu sei do que falo... LOL

Cumprimentos

O Lobacho


De Titi a 22 de Setembro de 2008 às 14:58
Claro que não... A minha primeira vez foi terrível.lol Mas ajuda ter alguém experiente. No meu caso, éramos os dois pouco sabidos, muito pouco... Depois é que fomos aperfeiçoando. :)


De Fecho Aberto a 22 de Setembro de 2008 às 17:30
Não seremos todos privilegiados pela primeira experiência, amigos?
Mais do que o acto físico, as emoções, os sentimentos, os desejos, as descobertas, as partilhas não serão algo maravilhosamente doce e guardado nas nossas recordações?
Vá lá, deitem cá para fora e partilhem connosco!
Queremos aprender todos com todos.
Abraços e beijos doces para todos


De CamaReira a 24 de Setembro de 2008 às 19:02
A primeira vez é sempre carregada de emoções, esta além de emocionante foi carregada de prazer.
Historia interessante, esta. Muito mesmo.

Beijos


De Fecho Aberto a 25 de Setembro de 2008 às 23:39
... e foste tu amiga CamaReira, que iniciaste esta série de histórias interessantes, mas os nossos amigos estão envergonhados, não querem participar mais, não querem partilhar as suas histórias aqui na nossa sala...

... que pena, foi uma ideia tão motivadora da nossa silenciosa...

temos de partir para uma próxima série

beijos doces provocadores


De louca sexy a 25 de Julho de 2011 às 02:38
Acho estas fotos muito atrevidas! desculpa la mas es mesmo puta. xau e olha ja fizeste sexo oral nele?


Comentar post

#Calendário

#obrigado pela visitinha

Web Counter
Free Counter

#Prémio

#últimos

# até logo

# por todo o lado

# Piscina à noite

# biblioteca aberta

# Casal pistoleiro

# Formação

# Verdade ou Desafio

# Sinais teus são as minhas...

# Soumission

# Sweet kiss

# Sweet kiss

# Relax...it's just sex!

# saudade do teu beijo doce

# Beijo Doce

# Quero agora

# Parabéns minha Fada!

# Jogo para iniciados

# Kissing

# vamos fazer um anúncio?

# Anda, dança para mim...

# minha...

# fim de semana divinal

# Nossos momentos

# Lua cheia

# 3 faces da LUA

# Procuro-te

# Tão pouco do lado de cá.....

# Closer, baby

# Hei, lets go to start

# Passion

# lábios dormentes de sauda...

# o tempo aquece, a saudade...

# A que horas nos encontram...

# Vamos brincar

# Erotika

# Deixa-me enrolar a minha ...

# Delírios

# faltam-me os teus...

# You are not alone

# O som do meu silêncio

# penso em ti e acompanho-t...

# Morde-me

# Simples milagre

# Ao fim do "teu" mundo

# Besame mucho

# Sweet Kisses

# Libertação, preciso

# Beijo louco

# Os 30 beijos do Kama Sutr...

# I hope you don't mind

#links

#tags

# todas as tags

#eu


# ver perfil

# seguir perfil

. 21 seguidores

#pesquisar aqui